sábado, 29 de março de 2008

Indicações de Filmes.

Postarei abaixo uma lista de filmes constantes da minha coleção pessoal, que eu julgo relevantes aos olhos da critica especializada, e eternizados por nós cinéfilos. Estão em ordem aleaória. Assistam!

01. Brutti sporchi e cattivi (Feios, sujos e malvados, Itália, 1976, Ettore Scola) Clássico do cinema italiano, mostra a vida de uma familia numa favela italiana, tragi-cômico!

02. Ladri di Biciclette (Ladrões de Bicicleta, Itália, 1948, Vittorio de Sica) O desespero de um homem em busca da bicicleta roubada, que lhe traz o sustento para familia, o desespero e o inconformismo é perceptível.

03. Salon Kitty (Salon Kitty, Alemanha, Itália, 1976, Tinto Brass) Ambientado na 2° guerra mundial, nazistas tomam um bordel para investigar soldados alemães, treinando assim suas oficiais para se disfarçarem de prostitutas para investiga-los. Bastante apelo erótico.

04.The Elephant Man (O Homem Elefante, 1980, EUA, David Lynch) Dramático filme, que relata a vida de Joseph Merrick, homem acometido de terriveis deformações no corpo.

05. The Night Of the hunter (O Mensageiro do Diabo, 1955, EUA, Charles Laughton) Homem se disfarça de pastor para enganar viúva, e roubar-lhe dinheiro deixado pelo, com quem ele teve contato na prisão. Clássico representante de filmes 'noir'.

06. Modern Times (Tempos Modernos, 1936, EUA, Charles Chaplin) Clássico de Charles Chaplin, basicamente denúncia a exploração de mão de obra causada pela revolução industrial, a luta do homem contra a máquina, a despersonalização do ser humano.

07. Jeder für sich und Gott gegen alle (O enigma de Kasper Hauser, 1974, Alemanha, Werner Herzog) Garoto é criado num porão, longe de qualquer contato com outro ser humano, até completar 18 anos. Sem saber falar, andar ou sua própria identidade, ele é levado para a cidade, onde é objeto de curiosidade e desprezo da população local. Filme de rara beleza!

08. Stroszek (Stroszek, 1977, Alemanha, Werner Herzog) A ilusão do "sonho de conquistar a América", um musico alemão, uma prostituta e um idoso saem da Alemanha com esperança de ganhar muito dinheiro e conquistar a América, frustação total.

09. Good Will Hunting (Gênio Indomável, 1997, EUA, Gus Van Sant) Jovem com raro talento em lhe dar com matemática, não se importa com isso, trabalhando como faxineiro em um escola um professor descobre que ele é capaz de solucionar complexas fórmulas, porém é com a ajuda de psiquiatra que ele "acorda" para a vida.

10. Night On Earth (Uma noite sobre a terra, 1991, França, Inglaterra, EUA, Japão, Jim Jarmusch) Cinco estórias envolventes ao redor do mundo que se passam dentro de táxis. Cativante.

By Rodrigo HM.






segunda-feira, 24 de março de 2008

A história do cinema.

A História do Cinema (Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.)

O cinema (ou cinematografia), abreviação de cinematógrafo, é a técnica de projetar fotogramas (quadros) de forma rápida e sucessiva para criar a impressão de movimento ("kino" em grego significa movimento e "grafos" escrever ou gravar), bem como a arte de se produzir obras estéticas, narrativas ou não, com esta técnica. Ele é simultaneamente arte, técnica, indústria e mito.

A invenção da fotografia e sobretudo a da fotografia animada foram momentos cruciais para o desenvolvimento não só das artes como da ciência, em particular no campo da antropologia visual.

O cinema é possível graças à invenção do cinematógrafo pelos Irmãos Lumière no final do século XIX. A 28 de dezembro de 1895, no subterrâneo do Grand Café, em Paris, eles realizaram a primeira exibição pública e paga de cinema: uma série de dez filmes, com duração de 40 a 50 segundos cada, já que os rolos de película tinham quinze metros de comprimento. Os filmes até hoje mais conhecidos desta primeira sessão chamavam-se "A saída dos operários da Fábrica Lumière" e "A chegada do trem à Estação Ciotat", cujos títulos exprimem bem o conteúdo. Apesar de também existirem registros de projeções um pouco anteriores a outros inventores (como os irmãos Skladanowski na Alemanha), a sessão dos Lumiére é aceita pela maciça maioria da literatura cinematográfica como o marco inicial da nova arte. O cinema expandiu-se, a partir de então, por toda a França, Europa e Estados Unidos, através de cinegrafistas enviados pelos irmãos Lumière, para captar imagens de vários países.

Nesta mesma época, um mágico ilusionista chamado Georges Méliès, que comandava um teatro nas vizinhanças do local da primeira exibição mencionada, quis comprar um cinematógrafo, para utilizá-lo em seus números de mágica. No entanto, os Lumière não quiseram vender-lhe, e o pai dos irmãos inventores chegou a dizer a Meliès que o aparelho tinha finalidade científica e que o mágico teria prejuízo, se gastasse dinheiro com a máquina, para fazer entretenimento. Meliès conseguiu um aparelho semelhante, depois, na Inglaterra, e foi o primeiro grande produtor de filmes de ficção, com narrativas, voltados para o entretenimento. Em suas experimentações, o mágico descobriu vários truques que resultaram nos primeiros efeitos especiais da história do cinema. Foi o responsável, portanto, pela inserção da fantasia na realização de filmes.

Logo depois, nas duas primeiras décadas do século XX, o diretor estadunidense David W. Griffith, um dos pioneiros de Hollywood, realizou filmes que fizeram com que ele fosse considerado pela historiografia cinematográfica o grande responsável pelo desenvolvimento e pela consolidação da linguagem do cinema, como arte independente, apesar das polêmicas ideológicas em que se envolveu. Ele foi o primeiro a criar filmes em que a montagem e os movimentos de câmera eram empregados com maestria e, com isso, estabeleceu os parâmetros do fazer cinematográfico dali em diante. Destaque para "Intolerância", admirado até hoje entre cineastas e cinéfilos.

Como forma de registrar acontecimentos ou de narrar histórias, o Cinema é uma arte que geralmente se denomina a sétima arte, desde a publicação do Manifesto das Sete Artes pelo teórico italiano Ricciotto Canudo em 1911. Dentro do Cinema existem duas grandes correntes: o cinema de ficção e o cinema documental.

Como registro de imagens e som em comunicação, o Cinema também é uma mídia. A indústria cinematográfica se transformou em um negócio importante em países como a Índia e os Estados Unidos, respectivamente o maior produtor em número de filmes por ano e o que possui a maior economia cinematográfica, tanto em seu mercado interno quanto no volume de exportações.

A projeção de imagens estáticas em seqüência para criar a ilusão de movimento deve ser de no minimo 16 fotogramas (quadros) por segundo, para que o cérebro humano não detecte que são, na verdade, imagens isoladas. Desde 1929, juntamente com a universalização do cinema sonoro, as projeções cinematográficas no mundo inteiro foram padronizadas em 24 quadros por segundo.

domingo, 23 de março de 2008

Sejam bem vindos!

Iniciamos hoje mais uma investida no fantástico mundo do cinema. Nos dispomos aqui a dissertar apenas com a intenção honesta de divulgar a verdadeira arte cinematográfica, sem nenhum fim lucrativo. Nos propomos apenas a postar comentários, etc, sobre filmes clássicos, alternativos, tais como também estilos em particular, como expressionismo, neo-realismo, cinema novo, etc, não nos prenderemos a vertente comercial hollywoodiana e afins, sendo completamente irrelevante a nossa proposta. Serão bem vindos blogs parceiros, bem como colaboradores, tornando assim cada vez maior o interesse pela imortal sétima arte. Sejam bem vindos!


video

CENA DO CLÁSSICO DO MESTRE INGMAR BERGMAN, O SÉTIMO SELO, DE 1957.