quinta-feira, 15 de maio de 2008


Monólogo de Hans Staden*


Como fui cair

Naquela cova de macacos?

Uma corda no pescoço

Uns formigões comendo as unhas.

De que vale “ein Gott,

Herr des Himmels und der Erde”,

Se esses falam uma língua-de-água

E fazem com os dentes

O que faço com palavras?


Gott! Dai-me pólvora

E poderei reinar sobre

Pedras sobre

Pragas.

Mas um homem

Nesta terra

Vale pouco.

Procuro manter a carne magra

Os olhos covos

- que dure o meu fim

O quanto dura

Um arco.


Miro encostas sem dono

O mar cerrado

A serra brusca.

Não encontro testemunhas.


Um dia tudo aqui vai definhar

- sem nome –

Como a corda em meu pescoço.

*cais, alberto martins. ed.34

Esse poema de Alberto Martins demonstra o medo e a revolta do viajante alemão Hans Staden, que naufragou numa embarcação espanhola em 1550, no litoral de Santa Catarina. E era mesmo pra ter medo, pois, capturado por índios tupinambás, seria vítima de um ritual voraz de antropofagia. Baseado na obra “duas viagens ao Brasil”, o filme mostra características, hábitos e costumes nativos dos tupinambás. Os atores falam em língua tupi, e com grande desenvoltura interpretam cantos e danças. As atuações passam a sensação de estarmos numa aldeia indígena no começo da colonização, a 450 anos atrás.há um estranhamento incontrolável ao assistir esse filme (incrível a cena que mostra um índio maracajá sendo devorado), Hans Staden olha e não consegue entender o ato :

- viu como nos tratamos os nossos inimigos?

- Eu vi, comer a carne do inimigo que você mata é medonho.

- é nosso costume.

um filme do Brasil e feito no Brasil, de ótima qualidade. assistam.


por:isaias faria


4 comentários:

atrasdosolhos disse...

ei, isaías! obrigada pelo comentário! gostei muito de seu blog sobre cinema! abraço!

Alcione Torres disse...

Tem um presentinho para vc no meu blog! Espero que goste!
http://sarapateldecoruja.blogspot.com/2008/05/eu-tenho-um-blog-de-elite.html

Sarapatel de Coruja

Cecilia Barroso disse...

Interessante o seu blog! Comentários de filmes que a gente não costuma encontrar por aí.
Parabéns!

Yerko Herrera disse...

Rodrigo, primeiramente desculpa pela demora em responder.

Bom, que legal que tu achou o OutroCine lá no blogue Sarapatel, da amiga Alcione. Fiquei muito feliz com teu comentário.

Gostaria também de parabenizar pelo excelente trabalho desenvolvido aqui no Dissertando sobre Cinema. Bem legal mesmo. Já o considero um blogue irmão.

Abração,
Yerko Herrera.

www.outrocine.blogspot.com